Contato

Vinicius de Moraes

Diplomata, dramaturgo, crítico de cinema, poeta e compositor. Vinícius de Moraes, nascido no Rio de Janeiro em 19 de outubro de 1913, começou a fazer suas primeiras composições ainda na época do colégio. Ingressou na Faculdade de Direito onde conheceu o romancista Otavio Faria, que o incentivou na vocação literária. Foi crítico de cinema, estudou língua e literatura em Oxford e em 1946, assumiu o primeiro posto diplomático como vice-cônsul em Los Angeles. De volta ao Brasil, Vinícius começou a ser tornar prestigiado com a sua peça de teatro “Orfeu da Conceição”, obra de 1954 que marcou o início de sua longa parceria com Tom Jobim. Foi a partir daí que sua carreira musical começou. Na década seguinte, Vinícius de Moraes viveu um período áureo na MPB com o surgimento da Bossa Nova, no qual foram gravadas cerca de 60 composições de sua autoria, incluindo a mais famosa “Garota de Ipanema” com seu grande parceiro musical Tom Jobim.

Vinícius de Moraes passou a vida rompendo convenções sociais. Passou da poesia culta para a popular, misturando ritmos brancos com negros e o comportamento aristocrático com o boêmio. Derrubou convenções também na área literária, usando o soneto após a revolução modernista de 1922, que cassava a composição dos 14 versos. Conhecido como um boêmio inveterado, fumante e apreciador do uísque, o “poetinha” era ainda conhecido por ser um grande conquistador. Vinícius casou-se por nove vezes ao longo de sua vida.

Para Vinícius, a vida era a “arte do encontro”. Não obstante sua poesia, além de ser a encarnação do movimento e do transitório, elege a busca como motor primordial: do divino, da coisa ordinária, do homem concreto, do homem social, do homem banal, do amante e, sobretudo, da mulher. Poeta viril e terno, transcendental e carnal, caudaloso e contido, ele fez de sua obra o lugar do encontro e da despedida.

Além de Tom Jobim, Vinícius realizou parceria com nomes da música brasileira como Toquinho, Baden Powell e Carlos Lyra e tem entre seus sucessos musicais “Chega de Saudade”, ‘Tarde de Itapoã’, ‘Samba da Benção’ e muitos outros.

Vinícius de Moraes morreu aos 66 anos, em julho de 1980, no Rio de Janeiro.

skype

msn

email